Você sabe a diferença de CRAS e CREAS? Entenda!

CRAS significa Centro de Referência de Assistência Social e o CREAS é o Centro de Referência Especializado de Assistência Social. Você seria capaz de dizer o que faz a diferença entre CRAS e CREAS? Se não, fique com a gente para entender isso!


Com base na Política Nacional de Assistência Social (PNAS), a Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social (NOB/SUAS) regulou a organização em âmbito nacional do Sistema Único de Assistência Social (SUAS) de forma descentralizada, participativa e articulada com as demais políticas setoriais. Definiu ainda os serviços e programas em níveis de proteção: Proteção Social Básica e Proteção Social Especial. A partir disso, foram criados dois órgãos públicos que a maioria das cidades brasileiras conta, mas poucos são capazes de definir. Afinal, existe alguma diferença entre CRAS e CREAS?


As ações de proteção social visam a garantia dos direitos e ao desenvolvimento humano, mediante a segurança socioassistencial aos usuários, expressas pela segurança da acolhida, segurança de convívio ou vivência familiar, e pela segurança de sobrevivência e/ou rendimento. Essas seguranças visam principalmente o protagonismo, a autonomia, a participação e à capacidade de proteção das famílias, indivíduos e comunidades, bem como ao fortalecimento de vínculos.


Conforme dispõe a Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais, o CRAS, equipamento da Proteção Social Básica, visa a prevenção da ocorrência de situações de vulnerabilidade social e risco nos territórios, já o CREAS, equipamento da Proteção Social Especial de Média Complexidade, visa o trabalho social com as famílias e indivíduos em situação de risco pessoal e social por violação de direitos, ou seja, enquanto o CRAS previne situações de vulnerabilidade social e risco, o CREAS “trata” das consequências ocasionadas pela vulnerabilidade e risco social.


Para acesso ao CREAS, basta ser encaminhado pelo Serviço Especializado em Abordagem Social, por outros serviços da assistência social, outras políticas públicas e por órgãos do Sistema de Garantia de Direitos. Analisando o dia a dia dos CREAS no Brasil, temos muitos usuários acessando o serviço também por demanda espontânea


Já o acesso ao CRAS pode ser feito de três maneiras:

  • Procura espontânea:
    Quando a família, grupo ou indivíduo vai até o CRAS de livre vontade para receber o atendimento.
  • Busca ativa:
    É uma estratégia para o conhecimento das condições de vida das famílias no território. Bem como para localizá-las e contatá-las, seja através de visitas domiciliares ou de entrevistas marcadas no CRAS. Esta modalidade de acesso ao CRAS proporciona o atendimento a famílias que muitas vezes, por apresentarem alta vulnerabilidade, não acessam o serviço espontaneamente.
  • Encaminhamento:
    Encaminhamentos são realizados pela rede socioassistencial e serviços das demais políticas públicas para cadastro e atendimento de pessoas e famílias.



Apesar das diferenças, o CRAS e o CREAS são espaços que visam o empoderamento das famílias e de seus membros para o enfrentamento das situações de vulnerabilidade e risco social, contribuindo assim para a construção e reconstrução das relações familiares e comunitárias.



Referências:

- Caderno de Orientações Técnicas: Centro de Referência Especializado de Assistência Social – CREAS (2011).
- Caderno de Orientações Técnicas: Centro de Referência de Assistência Social – CRAS (2009).
- Norma Operacional Básica do Sistema Único de Assistência Social – NOB/SUAS(2005)
- Tipificação Nacional de Serviços Socioassistenciais (2009).